«Itinerário de iniciação à vida cristã» propõe mudança para a Catequese

Documento está a ser analisado e enriquecido pelos responsáveis diocesanos da catequese em Portugal e vai mobilizar famílias, crianças e adolescentes na comunidade cristã

Os Secretariados Diocesanos de Catequese estão reunidos, nesta quinta e sexta-feira, em Fátima, para um encontro formativo onde vão estudar o documento «Itinerário de Iniciação à Vida Cristã com as Famílias, com as Crianças e com os Adolescentes», em linha com o ‘Diretório para a Catequese’.

“Estamos a viver um conjunto de profundas mudanças na sociedade e na Igreja. A partir da experiência da catequese familiar e do projeto Sayes, bem como do «Ser Catequista», proposta formativa que apresentámos no ano passado, quisemos olhar profundamente para a catequese, e em modo sinodal, temos vindo a trabalhar para dinamizar a catequese na linha do ‘Diretório para a Catequese’ e que permita reunir todas as intuições e boas práticas que já se vão fazendo”, explica ao EDUCRIS D.António Moiteiro, presidente da Comissão Episcopal da Educação Cristã (CEECDF).

Para o padre Tiago Neto, diretor do Sector da Catequese do Patriarcado de Lisboa, o ‘Itinerário’ está, “ainda em construção”, e vai “criar tempos distintos, inspirados na lógica de catecumenado que coloca a Igreja, e a catequese, em chave missionária”.

“Queremos como que ‘recomeçar’ com todos os que mais afastados, ou com a fé mais enfraquecida, se reaproximem da Igreja para juntos, fazermos uma catequese que se centre na comunidade, pela comunidade e para a comunidade”, sustenta.

Ao longo dos dias os vários responsáveis vão apresentar os “tempos propostos pelo itinerário formativo”, que são “Despertar da Fé”, “Tempo de Iniciação cristã”, “Aprofundamento Mistagógico” e o “Discipulado Missionário”.

“Teremos, sobretudo, muitos trabalhos de grupo que permitam sintetizar sensibilidades e práticas. Gostaríamos muito de chegar a um ‘itinerário’ mais ou menos final até setembro para que a Conferência Episcopal Portuguesa se possa pronunciar sobre ele na próxima Assembleia Plenária dos Bispos”, conclui D. António Moiteiro.

Fonte: Educris