Papa Francisco: Pelos profissionais de saúde 

Vamos levar ainda muito tempo para esquecer a pandemia. Tomara que não nos esqueçamos de algumas coisas que ela nos ensinou. Por um lado, “a entrega, a generosidade dos profissionais de saúde, voluntários, agentes de saúde, sacerdotes, religiosos e religiosas”.

E por outro lado, a importância dos sistemas públicos de saúde. O Papa Francisco lembra-nos: “Os países mais pobres, os países mais vulneráveis não podem ter acesso aos tratamentos necessários para tratar tantas doenças que as pessoas continuam a sofrer”.

Por esta razão, pede aos governos “que não esqueçam que um bom serviço de saúde, acessível a todos, é uma prioridade”. Vamos juntar-nos a ele no seu apelo, e difundir esta mensagem da forma que pudermos.

“Rezemos este mês pelos profissionais de saúde.

A pandemia, mostrou-nos a entrega, a generosidade dos profissionais de saúde, voluntários, agentes de saúde, sacerdotes, religiosos e religiosas.

Mas esta pandemia também deixou claro que nem todos têm acesso a um bom sistema público de saúde.

Os países mais pobres, os países mais vulneráveis não podem ter acesso aos tratamentos necessários para tratar tantas doenças que as pessoas continuam a sofrer.

Isso deve-se com frequência à má gestão dos recursos e à falta de um compromisso político sério.
É por isso que quero pedir aos governos de todos os países do mundo que não esqueçam que um bom serviço de saúde, acessível a todos, é uma prioridade.

Mas também quero lembrar que o serviço de saúde não é apenas uma organização, mas que aí estão homens e mulheres que dedicam a sua vida a cuidar da saúde do outro. E que deram a vida durante esta pandemia para ajudar tantos doentes a recuperar-se.

Rezemos para que o compromisso dos profissionais de saúde em cuidar dos doentes e idosos, especialmente nos países mais pobres, seja apoiado pelos governos e comunidades locais”.